Balneabilidade das Principais Cachoeiras de Foz do Iguaçu

Projeto Integrador: Saúde e Meio Ambiente

A cada semestre temos o objetivo de realizar um projeto integrador com um tema diferenciado, esse semestre recebemos o tema SAÚDE E MEIO AMBIENTE, a partir disso eu e meus colegas,Fábio Cardozo e Gabriela Jung, escolhemos o tema "Balneabilidade das Principais Cachoeiras de Foz do Iguaçu-PR".

O turismo ecológico vem crescendo constantemente em Foz do Iguaçu e é o segmento de mais rápido crescimento na indústria turística em diversos países. Segundo Eagles (2001), este setor do turismo depende fundamentalmente de dois componentes: níveis de qualidade ambiental e níveis de satisfação do consumidor.

O monitoramento da balneabilidade das cachoeiras é muito importante para a avaliação da qualidade da água de contato primário, sendo de acordo com a resolução CONAMA 274/2000. A avaliação pode indicar se possui esgoto na água e a probabilidade de existir organismos patogênicos, um grande fator da contaminação de rios, é a falta de saneamento básico.

Para Machado (1999), os turistas devem receber a água em sua melhor qualidade, deixando claro que o responsável pelo local utilizado, nesse caso a prefeitura, deve determinar a qualidade de suas águas através de análises físicas, químicas e biológicas.

Apesar da crescente utilização das águas para fins recreacionais, nota-se uma carência de estudos e programas de monitoramento que avaliem as condições de balneabilidade, especialmente nas cachoeiras que estão sendo utilizadas para lazer, o que pode proporcionar o contato de banhistas com águas contaminadas por efluentes domésticos e industriais.

Como uma forma de avaliação da balneabilidade das principais cachoeiras de Foz do Iguaçu, resolvemos iniciar este projeto, para, deste modo comunicar para a região e turistas sobre as condições dos locais que frequentam. É importante e necessária a verificação frequente dessas condições visando que, qualquer contato com água contaminada pode oferecer riscos á saúde da população. O problema se torna mais grave no verão, quando a população que vive ao redor do rio aumenta o uso significativamente, o que significa a geração de mais resíduos. O que influencia a balneabilidade é a densidade de coliformes fecais que são microrganismos presentes nas fezes de animais de sangue quente, considerados bioindicadores de poluição.